quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

TEMER APROVA REFORMA DO ENSINO MÉDIO

Na tentativa de impor uma pauta positiva diante do desgaste de imagem do governo federal, o presidente Michel Temer sancionou nesta quinta-feira (16) a reforma do ensino médio.
Imagem: Folha

Alvo de polêmica entre educadores e estudantes, a proposta da reforma prevê flexibilização das disciplinas e aumento da oferta de ensino em tempo integral. Em evento no Palácio do Planalto, o peemedebista afirmou que a mudança trata-se de um gesto de "coragem" e de "ousadia", já que, segundo ele, o tema tramitava há 20 anos no Congresso, sem que fosse implementado na prática.

Para ele, o debate sobre a proposta, que enfrentou resistências entre estudantes e professores, gerou uma "polêmica saudável", já que a "crítica gera aperfeiçoamento". "Nós vamos prosseguir com essa ousadia responsável e planejada, algo que possa ser compreendido pelo Congresso Nacional e pela sociedade civil", disse.
Em discurso, o ministro da Educação, Mendonça Filho, defendeu que a reforma do ensino médio é a "maior e mais importante" da área educacional do país nos últimos 20 anos. "É um passo extremamente relevante e a mais estruturada mudança nas educações pública e privada", disse.

Segundo o ministro, a previsão é que o novo modelo de ensino médio seja implementado até 2019 –inicialmente, o governo falava em ter as primeiras turmas já em 2018.

A mudança ocorre devido à necessidade de terminar as discussões, ainda neste ano, sobre a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), documento que definirá quais os conteúdos obrigatórios para serem ensinados a todos os alunos do país.

"Como a base nacional curricular só estará concluída até 2017, não poderíamos exigir dos sistemas estaduais de educação a implementação plena a partir de 2018. Só em 2019 teremos a preparação necessária para que as propostas sejam implementadas com mais profundidade", afirmou.

NOVO ENSINO MÉDIO
A alteração no modelo de organização das disciplinas é um dos principais pontos da reforma do ensino médio. Pelo modelo atual, o estudante cursa 13 disciplinas obrigatórias nos três anos desta etapa de ensino.

Já o novo modelo estabelece que até 1.800 horas da carga horária total –o equivalente a 60% das 3.000 horas que devem ser alcançadas em cinco anos– seja destinada ao ensino de disciplinas obrigatórias a todos os alunos, definidas na base comum curricular. O restante ficará reservado ao aprofundamento em áreas específicas.

Nesses casos, o aluno poderá optar por uma entre cinco áreas: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.
A oferta dessas opções, bem como a distribuição dos conteúdos obrigatórios e de escolha do aluno, no entanto, dependerá da rede de ensino e das escolas.

Entre as disciplinas, português e matemática permanecem como obrigatórios em todos os anos, além de uma língua estrangeira, como inglês. Filosofia, sociologia, artes e educação física, antes obrigatórios e retirados na proposta inicial apresentada pelo governo, voltam a constar nessa etapa, mas com alterações, conforme texto da lei aprovado pelo Congresso.

O documento não cita filosofia e sociologia como disciplinas específicas, mas sim como "estudos e práticas" que devem fazer parte da base nacional comum curricular. Isso significa que esses estudos não ocorrerão necessariamente em disciplinas separadas ou em todos os três anos –caberá à base e às redes de ensino definir o modelo.

"É importante que se leve em consideração o que está escrito na lei. Ela incorporou o estudo de filosofia e sociologia, o que necessariamente não pode ser confundido com a disciplina de filosofia e sociologia que hoje está presente na grade curricular do ensino médio brasileiro. Você pode estudar isso em aula de história, por exemplo", disse o ministro.

Em uma tentativa de rebater críticas sobre a mudança, Mendonça disse ainda que "quem quiser estudar essas disciplinas não será impedido", já que as redes poderão ofertar os conteúdos também em áreas de aprofundamento, como ciências humanas.

Além dos conteúdos, o novo modelo do ensino médio também prevê um aumento da carga horária, que deverá passar de 800 horas para 1.400 horas anuais (o equivalente ao ensino integral).

A ampliação, porém, ocorrerá de forma gradual. A ideia é que, em cinco anos, as escolas atinjam até mil horas anuais –parâmetro já adotado por algumas escolas privadas e em alguns Estados, como São Paulo.

POLÊMICAS
aprovação da reforma do ensino médio foi marcada por polêmicas. A primeira delas foi ao fato da proposta ter sido apresentada, em setembro de 2016, no formato de medida provisória, o que gerou crítica entre especialistas, que alegaram tempo curto para discutir as mudanças.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chegou a dizer que a MP era inconstitucional e que havia completa "falta de urgência" da proposta.

O Ministério da Educação, porém, tem defendido que a alta evasão nessa etapa de ensino e baixos índices de desempenho dos estudantes nas avaliações do Ideb (índice de desenvolvimento de educação básica) mostram a urgência das mudanças.

"Não podíamos de forma alguma estender e postergar por mais um, três ou cinco anos algo que já é praticamente consensual no meio educacional brasileiro, a necessidade de mudanças", afirmou Mendonça Filho.

Outra polêmica ocorreu em relação à possibilidade de contratação de profissionais sem formação específica, mas com "notório saber" para dar aulas em cursos técnicos e profissionalizantes.

Segundo a secretária-executiva do MEC, Maria Helena de Castro, a pasta discute como dar maior apoio aos Estados e municípios para que estes possam auxiliar na formação dos docentes. 

Fonte: acesse o link da FOLHA
NATÁLIA CANCIAN
GUSTAVO URIBE
DE BRASÍLIA


Sindicato realiza primeira Assembleia Geral do ano de 2017

Presidente com a professora Dóris discutindo sobre Previdência Social
Dezenas de servidores públicos de Tutóia reuniram-se na manhã de quinta-feira (16 de fevereiro) para discutir salários e jornadas de trabalho para o ano 2017 no município de Tutóia.

Esta foi a primeira Assembleia Geral do ano realizada pelo SINSPUTSAMPAN – Sindicato dos Servidores Públicos de Tutóia, Santana do Maranhão e Paulino Neves.
A abertura foi feita com uma palestra da Psicóloga Luana Carvalho.











O professor e atual vereador Paulo Rogério, elogiou a iniciativa do sindicato.
Já o professor Aurélio Peterson falou da importância da luta por direitos.
A também professora Maria José disse da necessidade de lutar de forma coletiva.
Ana de Matos, professora da rede, também a união dos servidores na luta por direitos.
A pauta principal foi a Campanha Salarial Unificada que está sendo discutida em todo o país, além da agenda do Sindicato para o ano 2017 e uma abordagem geral sobre as assembleias que acontecerão nos três municípios da base (Paulino Neves, Santana do Maranhão e Tutóia) discutindo, especificamente, os direitos de cada categoria de servidores.

O presidente Elivaldo Ramos, em resumo, comentou da agenda do sindicato e das assembleias que acontecem ainda este mês nos municípios de Santana e paulino Neves.

Quanto ao pagamento de férias o Sindicato já pediu que a prefeitura defina um calendário de concessão e também de pagamentos destas, mas até o momento não teve respostas.

Entretanto, pedimos informação ao Gabinete da Prefeitura de Tutóia e esta nos informou que até o dia 27 deste mês de fevereiro irá pagar o terço das férias.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

NOTA SOBRE PAGAMENTOS DE TUTÓIA

COMUNICAMOS AOS SERVIDORES DE TUTÓIA, ESPECIALMENTE AOS DA EDUCAÇÃO, QUE DIANTE DOS ERROS QUE HOUVERAM NOS PAGAMENTOS, NÓS, O SINDICATO, COMUNICAMOS DE OFÍCIO E PEDIMOS RESOLUÇÃO DESSA PENDÊNCIA.

NA ASSEMBLEIA GERAL TRATAREMOS DESTE ASSUNTO COM EXCLUSIVIDADE.

NOTA sobre pagamento da Saúde de Tutóia

Caros companheiros da Saúde entramos em  contato com o Financeiro da Prefeitura de Tutóia, ontem (07) reclamando os atrasos dos pagamentos e estes nos garantiram que irão pagar hoje (08) após o meio dia. 

Recebemos várias reclamações e encaminhamos estas reclamações à Prefeitura. Nos solidarizamos a todos e compartilhamos da mesma angústia.